A ARQUIBANCADA NA REDE - WEB ARQUIBANCADA
"Em 40 anos de jornalismo, nunca vi liberdade de imprensa. Ela só é possível para os donos do jornal". (Cláudio Abramo, que dirigiu Folha e Estadão)

Busca

Pesquisa personalizada

14 de jul de 2009

Indefinição

Até o momento nada de técnico, ou seria até o momento ainda não precisamos de um técnico?

Recapitulemos: a diretoria tentou, porque queria muito, o Muricy. Levamos um ‘toco’, como já escrevi por aqui. Fala-se agora em efetivar o Jorginho, com o Evair – eterno ídolo – como auxiliar. Hoje, horas depois da demissão de Parreira pelo Fluminense já surge o boato (os 'jornalões' repercutem) de que a Traffic (que eu peço a saída já há algum tempo) tem simpatia pelo ex-treinador da seleção de 94, pois esse ajudaria a valorizar seus jogadores que estão no Palmeiras.

Não sei o que os leitores pensam sobre a efetivação do Jorginho, mas eu tenho minhas restrições. Não pelo que ele vem mostrando, mas porque nossa torcida está carente não de bons trabalhos, de planejamento e classificação para a libertadores, como também já disse por aqui, mas de títulos. Tivéssemos ganho alguns títulos nos últimos tempos e a estrada estaria pavimentada para que Jorginho iniciasse sua carreira de treinador em um grande clube como o nosso; mas, nossa última grande conquista foi um campeonato paulista, enquanto nossos adversários teimam em colecionar conquistas.

Sobre o Evair também tenho receio. Não por sua capacidade, pois para falar a verdade não sei nada sobre ela. O que me deixa preocupado é um ídolo correr o risco de ser, por exemplo, chamado de ‘burro’ por aqueles que até hoje ainda o tem em alta consideração. O sucesso de Evair como técnico, ou mesmo auxiliar, em nosso clube está – da mesma forma que o de Jorginho – condicionado a resultados imediatos. Nossa torcida não tem a mínima paciência, me incluo nesse rol, para planejamentos a médio e longo prazo. Repito, precisamos de títulos.

Já Parreira me parece ser uma brincadeira de mau gosto. Se a diretoria se render a mais essa ‘ingerência’ de sua ‘parceira’ seria o caso de se passar definitivamente a administração do departamento de futebol para a Traffic, e mostrar a todos que por lá não existem pessoas capazes para isso. Não acredito no boato, não acredito que o Palmeiras e os diretores que estão por lá não sejam capazes de gerir nosso departamento de futebol. Mas, vale o recado: temos é que pensar no Palmeiras, em títulos para o Palmeiras, e não em valorizar jogadores para a Traffic.

Então, confesso que tenho mais dúvidas que certezas. Se eu estava com a ‘pulga atrás da orelha’ com o Muricy por tudo que ele representou – e representa – ao nosso maior inimigo (SPFW), pelas ‘bananas’ que já nos deu, pelo caso do ‘gás de pimenta’, mas até estava propenso em aceitá-lo por um ‘bem maior’: o engrandecimento do Palmeiras; o que dizer sobre a ‘possível’ vinda de Parreira para ‘valorizar os jogadores’ para a parceira?!

Eu já disse neste espaço que está faltando um pouco de ousadia para a nossa diretoria. Disse inclusive, comentando com leitores do blogue - há época de VL ainda -, que poderíamos demiti-lo, economizar com comissão técnica, e tratar de fazer uma proposta ao Felipão. Isso não aconteceu e é quase improvável que aconteça pela mesma falta de ousadia, agora também por motivos contratuais do Felipão, e pelo que parece, pela falta de grana (a que não faltou no período Luxemburgo).

O andar da carruagem nos aponta para a solução caseira: Jorginho, com Evair de auxiliar. Só espero que não continuem com esse papo de que ele continuará – e interinamente - enquanto os resultados estiverem sendo bons. Já que se fala tanto de diretoria diferenciada, transparência e novos tempos, que se aja dessa forma. Defina-se que é com Jorginho que iremos até o final, que ele é o ‘novo técnico’ do Palmeiras e que não se falará em um novo técnico a cada derrota. É um risco? Sim, como já disse. Mas, é o mais honesto para com o Jorginho e para conosco: a torcida.

Precisamos de alguns jogadores, isso a carência em algumas posições nos mostra claramente. Mas, o precisamos mais do que tudo nesse momento é de uma definição. Ou seguimos buscando um técnico de renome e Jorginho é somente um técnico interino, ou Jorginho é nosso técnico e sua interinidade deve ter data definitiva para acabar. O que não podemos é permanecer com essa indefinição, como se ela fosse parte de uma tática mirabolante, de uma forma de atingirmos os ‘objetivos planejados’.

A torcida aguarda ansiosa pelo anúncio, seja no veículo que for: TV, rádio, jornal, Twitter, blogues...

_______________
Em breve minha opinião sobre a ‘diáspora’.

Um comentário:

  1. Concordo com você quanto à Falta de Ousadia de nossa diretoria. Era pra termos Felipão há meses ja, antes dele ir pro Uzbequistao, perdemos mais essa. Eu sinceramente nao queria o Murissoca, nao gosto dele como pessoa e acho que o trabalho nao justifica, ele não era nada fora do normal e nada muito diferente de muitos técnicos por ai, sei la.

    Acho cedo pra colocarem o Jorginho como efetivo, afinal, nós torcedores, como vc disse ai em cima, nao temos paciencia pra trabalhos a longo prazo. O que tiver que vir, tem que ser agora... Sei la, sinceramente nao consigo pensar em alguem que faça o milagre que nos precisamos ainda em 2009.

    ResponderExcluir

Caro Palmeirense, aqui você pode fazer seu comentário. Como bom Palmeirense CORNETE!!!