A ARQUIBANCADA NA REDE - WEB ARQUIBANCADA
"Em 40 anos de jornalismo, nunca vi liberdade de imprensa. Ela só é possível para os donos do jornal". (Cláudio Abramo, que dirigiu Folha e Estadão)

Busca

Pesquisa personalizada

4 de fev de 2008

Chama o motoqueiro!

Um determinado Blog diz que um diretor, de um determinado clube, "entrega" (substantivo feminino) – pelo que dá a entender por lá, corriqueiramente – seus companheiros e parceiros.

O termo entregar (verbo transitivo direto e indireto, do latin integrare), lá no referido Blog, é conjugado como entregando (gerúndio), e aparece para desmerecer a atitude do diretor do clube (lembrem-se do que eu disse sobre a escolha do inimigo para se tornar um jornalista).

O curioso, é que o referido Blog usa de uma entrega (neste caso um substantivo feminino; mesmo que usado aqui como gíria, e aí o uso como S.f. fica estranho) – lembrem-se da ata da discórdia e da traição de um quinta-coluna do conselho que a entregou aos jornalistas - para desqualificar as informações e a credibilidade de gente que ele (o Blog e seu editor) (des)qualifica como mentirosa.

A entrega (substantivo feminino) somente é válida quando serve aos (se)meus interesses?

Triste, mais uma vez digo isso, a lavra de gente que está saindo dos bancos das faculdades de jornalismo.

Em tempo: Não entendo muito de entrega, mas aí vai o termo, segundo o dicionário: “... s. f., ato ou efeito de entregar;...”

Não sei nem por que me meti nessa coisa de verbo, seu significado ou conjugação. Nem entendo muito disso, precisei consultar muito o dicionário. Mas, acho que é para lembrar que tem gente que entende muito de entregar. Literalmente falando.

Neste caso, chama o especialista. Chama o motoqueiro. Ele entrega!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Palmeirense, aqui você pode fazer seu comentário. Como bom Palmeirense CORNETE!!!