A ARQUIBANCADA NA REDE - WEB ARQUIBANCADA
"Em 40 anos de jornalismo, nunca vi liberdade de imprensa. Ela só é possível para os donos do jornal". (Cláudio Abramo, que dirigiu Folha e Estadão)

Busca

Pesquisa personalizada

6 de set de 2007

Mas dois pontinhos tungados!

Na semana em que a farsa está ficando clara, todos já estão com a pulga a trás da orelha, a comissão de arbitragem escala um juizinho ruim para apitar o jogo dos bambis. Se escala um bom juiz e ele erra a farsa fica mais clara, mas escala um ruim, aí a imprensa pode voltar a dizer: 'erra para os dois lados'. Isso foi fato.

O goleiro do Atlético cometeu um pênalti (até o Arnaldo viu) e não foi marcado. Mas vamos ver o que aconteceu antes:

Início do jogo: cruzamento na área cor-de-rosa, a bola viaja, o zagueirão (aquele cumpridão e magrelo que se contundiu), empurra o avante mineiro, o 'assoprador de latinha' aponta tiro de meta, e o Arnaldo César Coelho brada 'não foi nada, não foi nada'. Para mim pênalti.

45 minutos do primeiro tempo (tempo corrido, lembrem-se que o jogo parou por 10 minutos): Souza dá um carrinho, acerta a perna do adversário, o juiz marca a falta. Cadê o cartão? Não foi carrinho? Carrinho não é para expulsar? Ah! O Souza pode, para o São Paulo pode, só o Palmeiras não pode, só o Pierre não pode ('ele é um 'jogadorzinho' baixinho e violento, não é Trajano?). Para mim cartão amarelo, como já tinha, RUA.

50 minutos do primeiro tempo: O avante do Atlético domina a bola de frente para a defesa 'das meninas', parte para cima, o zagueiro Breno ('maior revelação do futebol brasileiro dos últimos tempos', 'jogador de personalidade' - como costuma dizer a imprensa) dá um carrinho por trás (aliás, mais parecia um golpe de Krav Magá) e atinge o tornozelo do atacante que sairia na cara do 'bambi mor'. Para mim vermelho; para o 'apitador' amarelo.

E aí Trajano? E aí Calazans? O Breno pode? O Pierre não? Aliás, lembremo-nos que a zaga (aquele cantada em verso e prosa) caçou o Valdívia no clássico, o tirou de campo (daquele jogo e de mais dois, ao que parece ele não joga hoje ainda com dores por causa disso), fez rodízio de faltas, e nada. O violento é o Pierre (aquele que joga um futebol na medida de sua estatura, segundo o Trajano: pequenininho. E que bate feito gente grande, ainda segundo o 'ilustre' torcedor do ... ameriquinha).

45 minutos do segundo tempo: Pênalti contra o São Paulo (Nossa, ele teve a petulância de marcar!). O jogador do Atlético parte para a bola, bate mal e Rogério 'bambi' Ceni, que se adiantou até próximo a linha da pequena área, pega. Vai voltar. Não voltou. Lembrei de Diego e do jogo contra o Ipatinga. O Diego pegou um pênalti naquela decisão, não se adiantou, o juizão mandou voltar (mas, isso foi contra o Palmeiras, não contra o time da 'modinha', aí não pode, contra o Palmeiras tem que voltar!).

Bem, resumo da ópera: mais dois pontinhos tungados. Mais um jogo de invencibilidade para a zaga cor-de-rosa (que caiu sim, no jogo contra o glorioso Palestra, mas que por conta do 'homem que segura o pau', o gol foi anulado, e mal anulado). Mais um passo 'delas' rumo ao título, que para mim terá asterisco sim, viu PVC.

Leia mais em Dossiê Bambi, no site Parmerista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Palmeirense, aqui você pode fazer seu comentário. Como bom Palmeirense CORNETE!!!