A ARQUIBANCADA NA REDE - WEB ARQUIBANCADA
"Em 40 anos de jornalismo, nunca vi liberdade de imprensa. Ela só é possível para os donos do jornal". (Cláudio Abramo, que dirigiu Folha e Estadão)

Busca

Pesquisa personalizada

20 de out de 2009

Caro Professor Beluzzo

Havia eu resolvido não me manifestar sobre os oito (08) pontos perdidos, de nove disputados, que nos dariam sem sombra de dúvidas o título antecipado do certame em disputa. Havia decidido que era hora de continuar apoiando, independente daquilo que as aparências – e algumas informações – nos apresentavam. Havia – como já fiz em outras oportunidades – resolvido me calar, pelo meu bem, pelo bem de nossa torcida, mas principalmente, pelo bem do Palmeiras, aliás, o objetivo maior – aquele que move esse espaço.

Mas, os últimos acontecimentos pedem um posicionamento. Vamos a eles, seus desdobramentos e aos lamentos.

Analisando tabela, classificação e resultados, a derrota de domingo não foi de toda desastrosa, afinal perder para o Flamengo – por mais rivalidade que tenhamos, e principalmente por ela – é um resultado comum. No futebol se vence, se empate ou se perde. Contra grandes, como é o caso do Flamengo, uma derrota mesmo em casa é ‘normal’. O fato é que ela veio de maneira inexplicável, sem entrega, sem luta, com acomodação. Parecíamos um pequeno perdendo para um gigante. Some-se a isso o fato de termos empatado em casa contra o ‘gigante’ Avai e perdido para o rebaixado Náutico e pronto, bastou para alguns, os menos conformados, procurarem as razões para isso.

A busca por essas razões fez com que alguns fossem buscar suas fontes e ‘descobrissem’ problemas internos. Elenco rachado, falta de acerto na premiação, ‘baladas’... Não se sabe se os resultados da busca são a realidade dos fatos, mas o que isso importa?! Nada diferente do que aconteceria com a ‘grande mídia’, aquela que nos fustiga e que inspirou o nascimento de muitos de nossos espaços (para o contraditarmos nesse caso), mas que é tratada com deferência e petit-four nas dependências Palestrinas.

Não podemos nos esquecer o fato de haver uma ‘singela’ diferença entre a notícia sobre a possível falta de um acerto de premiação dada pela grande imprensa e a dada por um blogueiro Palmeirense. Para ser direto, sem rodeios, a diferença consiste que a dada por um blogueiro Palmeirense (Palestrino) é, sem sombra de dúvidas, na busca de chamar a atenção para um fato que poderá atrapalhar a caminhada para alcançarmos o objetivo que nos move; sendo mais direto ainda, tenta essa impedir que fatores extra campo atrapalhem a busca por um momento de êxtase, aquele do título, da conquista e da glória, advinda de um simples e sincero desejo de sermos novamente – ora veja – campeões nacionais.

Quem enxerga outro objetivo para além desse deve se tratar. Quem deseja cercear isso deve, imediatamente, ser afastado de suas funções no clube que tanto amamos.

É disso que quero falar; e falo diretamente a uma pessoa, aliás, nem sei se essa pessoa sabe que estão sujando sua biografia. Falo para o presidente do Palmeiras, falo para o economista, para o lutador pelos direitos individuais e pela democracia, Luiz Gonzaga de Mello Beluzzo. Em seu nome, ou contra o seu nome, estão cerceando, censurando, intimidando...

Presidente, ontem, esses que hoje estão sendo censurados, intimidados, lutaram por vossa eleição a frente dos destinos do Palmeiras justamente para acabar com práticas que hoje lhes estão sendo impostas.

Alguns desses não lhes cortejam, às vezes lhes são até antipáticos e desrespeitosos, mas jamais esperavam que vossos seguidores os fustigassem e perseguissem por pensarem diferente.

A história é pródiga em exemplos desse tipo. Revolucionar as revoluções é o que de mais difícil existe em processos desse tipo, sei que conhece o ‘Sobre as Revoluções’ da pensadora Hannah Arendt; lá ela nos diz que justamente esse – o momento do passo adiante – é o mais difícil a ser dado e que a massa ‘cega’ é o que joga tudo a perder.

Por isso, escrevo essas mal traçadas linhas justamente direcionadas a quem sei que pode dar um basta nisso, a quem pode frear o renascimento do terror, que pode dar um basta nessa sanha por pensamentos únicos e revanchistas.

Professor, o senhor sabe, mais do que ninguém, que são nas críticas, mesmo que as vezes sejam virulentas e até aparentem ser desproporcionais, que está o maná da democracia. São os críticos, na maioria das vezes, que nos fazem enxergar onde estão nossos pequenos (e até os grandes) erros; aqueles que nos cercam, nos elogiam, nos cegam, propõem cortes de cabeças (guilhotinam), invariavelmente, amanhã serão os que nos decapitarão...

Professor Beluzzo, não deixe que a nossa maior luta: o fim das trevas no Palmeiras, retorne como farsa, senão – sem dúvida nenhuma – ela se transformará em tragédia. Se isso acontecer a história não o absolverá, tenha certeza disso.

Forza Palestra!

_____________
Modificado em alguns trechos

5 comentários:

  1. Ótimo texto Ademir!

    Te linkei, pois para este momento, tornou-se uma leitura obrigatória.

    ResponderExcluir
  2. Ademir, como sempre uma opinião serena e contundente.

    Leitura obrigatória pra todo palestrino que anseia por palavras sóbrias e de rara inteligencia.


    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Mesmo com um textp respeitoso, vc não faz parte do seleto hall dos 'confiáveis' [ironic mode on] rs...

    Bom saber que há quem abre nossos olhos!

    ResponderExcluir

Caro Palmeirense, aqui você pode fazer seu comentário. Como bom Palmeirense CORNETE!!!