A ARQUIBANCADA NA REDE - WEB ARQUIBANCADA
"Em 40 anos de jornalismo, nunca vi liberdade de imprensa. Ela só é possível para os donos do jornal". (Cláudio Abramo, que dirigiu Folha e Estadão)

Busca

Pesquisa personalizada

3 de set de 2009

Réquiem pelo futebol brasileiro!

Por que hoje estou com a 'macaca'. Porque não aguento mais ver pseudo-intelectuais clamando por uma modernidade que só nos tira aquilo que é nosso por direito. Porque não encontro em nenhum lugar, e olha que já estou qualificando minha dissertação de mestrado sobre o tema, onde é que nós os torcedores entramos nessa tal de modernização, aliás eu sei com o que nós entramos, pois na política do CARACU entramos com a sílaba final. Então, fiquemos com três momentos que procuram resgatar aquilo que nós é tirado, aquilo que nos é de direito, mas insistem em nos usurpar, três momentos de gente que não se conforma e insiste resistir.

A) O estatuto do verdadeiro torcedor, do amigo Teo

1. Futebol não é festa.
2. Futebol não é divertimento.
3. Futebol não é um bom lugar para passeio.
4. Futebol não é um ambiente saudável, ao contrário, é doentio.
5. Evite levar criança ao estádio, a menos que esta seja mais madura que você (no meu caso não é difícil).
6. Evite levar mulher ao estádio, a menos que ela seja mais homem que você.
7. Evite levar qualquer pessoa ao estádio que não esteja focada na vitória do seu time.
8. Não use uma partida de futebol para networking profissional e/ou social. O ideal é que, ao te verem no estádio, todos se envergonhem de você.
9. Acredite em você, nas suas impressões e opiniões sobre seu time.
10. Despreze completamente a opinião da imprensa esportiva.
11. Se você acha que seu time vai ganhar, talvez ele ganhe.
12. Se você acha que seu time vai perder, ele vai perder. Vá ao jogo assim mesmo.
13. Não deixe que o trabalho atrapalhe o futebol.
14. Não deixe que nenhum programa ou compromisso atrapalhe o futebol.
15. Não deixe que um romance atrapalhe o futebol.
16. Não deixe que nada atrapalhe o futebol.
17. Acima do futebol, só a saúde. Ela que te permite viver para o futebol.
18. Seu melhor amigo é o seu time.
19. Despreze quem não gosta de futebol.
20. Ignore quem não gosta de você pelo fato de você gostar de futebol.
21. Fique onde você quiser no estádio, ignore os lugares numerados.
22. Nunca assista ao jogo ao lado de um torcedor adversário.
23. Odeie seu adversário no dia do jogo.
24. Identifique seu inimigo e odeie-o todos os dias da sua vida.
25. Debata com torcedores adversários verdadeiros, menospreze os farsantes.
26. Se um dia você for a um estádio sem alambrado, fosso ou qualquer divisão para o campo, sinta vergonha. O Brasil não é a Inglaterra.
27. Não relaxe durante o jogo.
28. Evite sorrir durante o jogo.
29. Não xingue os jogadores do seu time durante o jogo. Alguns merecem, mas não vai adiantar.
30. Xingue a arbitragem em todos os jogos, isso te fará bem.
31. Não se esforce por ingressos para torcedores ocasionais e oportunistas. Cuide do seu e dos legítimos habitantes daquele espaço sagrado.
32. Refute ser tratado como consumidor, você é apenas torcedor. Por sinal, você é muito mais que consumidor.
33. Cuide da sua própria segurança, nunca espere nada da PM.
34. Proteja-se da PM.
35. Volte do estádio sempre com a sensação do dever cumprido.

B) O que nós perdemos, do Barneschi

Palmeiras e SPFW poderiam muito bem fazer a final do Campeonato Brasileiro/2009. Poderiam, se assim fosse permitido pelo regulamento, protagonizar dois duelos memoráveis pelo título. No entanto, os inimigos se enfrentaram já na terceira rodada do returno. O mesmo se aplica a uma possível decisão entre Palmeiras e Internacional, mas os dois clubes se encontraram uma semana antes, ainda em agosto, e deixaram de fazer história no fim do ano.

É assim que são as coisas no Brasil desde 2003. Finais históricas foram trocadas por disputas modorrentas, por decisões que se antecipam sem avisar e pela impossibilidade de confronto entre os melhores.

Não há mais heróis, gols decisivos ou viradas espetaculares. Nem mesmo os erros da arbitragem ganham notoriedade, pois agora, bem programados, ficam todos escondidos naqueles jogos menos importantes. As finais do Brasileirão, que nunca se repetiram ao longo de três décadas, foram substituídas por jogos comuns e esquecíveis.

Não há mais artilheiros de um jogo só. Não há mais Soratos (1989), Ailtons (1996) ou Tupãzinhos (1990). Acabaram os heróis. Nada de Nunes (1980), Baltazares (1981) ou Robinhos (2002). Não há mais um Bahia surpreendendo o Inter como em 1988, não há mais disputas de pênaltis como as que já decidiram algumas edições, não há mais campeões com saldo de gols negativo, não há mais a festa que cerca uma grande final.

Alguém aí, pergunto, se lembra do jogo que deu ao Cruzeiro o título de 2003? Ou de como o SPFW sacramentou o título de 2006 ou o de 2007? Ou de quem fez os gols que definiram o Santos como vencedor em 2004? Ou que o SCCP garantiu com derrota a conquista de 2005?

Não, ninguém se lembra. Porque os pontos corridos (ou roubados, como queiram) se valem da tal lógica do que é mais justo para roubar do torcedor o direito a uma final emocionante e a duelos que, se não trazem justiça, ficam eternizados na história.

Você pode ser contra ou a favor ou pode até não ter opinião formada. Pouco importa; quando se decidiu pela fórmula de pontos corridos (ou roubados, se considerarmos o modus operandi de alguns), foi feita uma opção que parece não ter volta: saíram as finais e entraram as disputas pretensamente justas, mas sem emoção.

Foi assim que o torcedor de futebol no Brasil perdeu direito a jogos inesquecíveis, a heróis que nunca existiram, a duelos que, se concretizados, nunca sairiam da nossa memória. Em nome de uma suposta isonomia, foi isso tudo que roubaram da gente.

É só um exercício, claro, mas os senhores podem clicar na imagem abaixo para visualizar tudo o que perdemos:



Finalmente, C) Ódio eterno ao futebol moderno



E pra não dizer que não falei de flores, pois não falei mesmo, fiquem com o link de um texto do professor Marcos Alvito, publicado na Revista Piaui, em dezembro de 2007, sobre como é a vida do torcedor inglês, e preparem-se, pois é nisso que querem transformar o futebol brasileiro. Pena o texto ser só para cadastrados, mas é gratuito o cadastro, e vale à pena ler o texto: O ESPORTE QUE VENDEU SUA ALMA.


Réquiem pelo futebol brasileiro!

Um comentário:

  1. Grande Ademir!
    Valeu, meu caro!
    Em tempo: fiz umas modificações no texto e consegui dimensionar melhor a imagem do post. Se quiser, pode trocar.
    Abraços e até logo mais no Palestra!

    ResponderExcluir

Caro Palmeirense, aqui você pode fazer seu comentário. Como bom Palmeirense CORNETE!!!