A ARQUIBANCADA NA REDE - WEB ARQUIBANCADA
"Em 40 anos de jornalismo, nunca vi liberdade de imprensa. Ela só é possível para os donos do jornal". (Cláudio Abramo, que dirigiu Folha e Estadão)

Busca

Pesquisa personalizada

21 de mai de 2008

A ética... Dos outros

Mais uma vez o ‘mínimo’ ataca de defensor da ética. Claro que daquela ética que serve apenas aos seus intentos, ou seja, atacar um de seus desafetos; na realidade um dos desafetos de seu padrinho, a saber: o campeão do prêmio IBEST, Juca “Valdívia no São Paulo” Kfouri.

Pois bem, dessa vez o ‘ínfimo’ diz que Vanderlei Luxemburgo faltou com a ética ao comentar em um programa esportivo sobre como jogar contra o Corinthians do ‘bom moço’ Mano Menezes. Este último, por sua vez, ficou irado.

Mas, não é disso que se trata. O que quero mostrar aqui – e não é muito difícil – é a INCOERÊNCIA do ‘menino prodígio’ do jornalismo esportivo brasileiro.

Quer dizer que um técnico falar sobre a equipe dirigida por outro técnico não pode? Quer dizer que isso é falta de ética? Pois bem, darei de barato que ele tem razão. A ‘encarnação do mal’, Vanderlei Luxemburgo, não pode falar como ele enxerga o time do Corinthians jogando, pois está ferindo a ética. Não pode falar, pois está entrando na ‘seara’ de outro profissional do futebol, notadamente, um profissional que atua em sua mesma área, ou seja, um outro técnico de futebol.

Agora, pergunto eu, como é que pode um jornalista (ele se intitula assim) comentar sobre as atividades profissionais de um – como direi? – outro jornalista? Como pode o ‘mínimo’ criticar um profissional da mesma área de atuação e não enxergar nisso nenhuma semelhança com aquilo que critica – por exemplo – em Vanderlei Luxemburgo?

Eu, de minha parte, não vejo problema algum no que fez Vanderlei Luxemburgo, não vejo também nada de mais nas críticas que faz o ‘mínimo’ a Milton Neves (a não ser uma tremenda dor-de-cotovelo). O problema está no fato de quem vê problemas na ação de Luxemburgo utilizar-se dos mesmos artifícios: imiscuir-se na atividade de um companheiro de profissão para criticá-lo, por exemplo.

No caso do Vanderlei fico com a opinião e o comentário do Alberto Helena (entre o ‘mínimo’ e o Helena fico indubitavelmente com o segundo).

Caso queiram ver o que digo, sobre a incoerência do ‘menino’, cliquem aqui e vejam o que ele já disse sobre um companheiro de profissão, Milton Neves, no caso. Claro que ele dirá que o MN não é jornalista, é um comerciante da informação. Mas, até aí poderia o Vanderlei dizer que o Mano não é um técnico de futebol respeitável, por exemplo. Mas, duvido que VL fará isso.

Precisa aprender muito sobre ética esse menino.

Tinha me prometido não falar mais sobre essa figura patética, mas tem coisas que não podem ser deixadas para trás, principalmente em assunto sério com ética. O problema é a forma em que o assunto é tratado: de maneira leviana, com um profundo desconhecimento do tema ou de maneira antiética.

No caso desse rapaz a ética vale somente para os outros.

______________________
Desculpem-me ter colocado um link do Blog dessa figura patética, mas é que para poder fazer o contraponto fui obrigado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Palmeirense, aqui você pode fazer seu comentário. Como bom Palmeirense CORNETE!!!